• RSS Feed
  • Facebook
  • Twitter
em@ail

Vencedor polémico, em Janeiro de 1958, de um concurso promovido pela NATO para a aquisição de um caça táctico ligeiro, simples e barato, mas também capaz de boas performances e desempenho, o FIAT G.91 era, simultaneamente, um avião capaz de operar em pistas curtas semi-preparadas como campos de relva ou pisos de terra batida.
O primeiro protótipo voou, pela primeira vez, em 9 de Agosto de 1956 tendo, meses mais tarde, excedido MACH 1 a grande altitude várias vezes. Entrou finalmente ao serviço em 1959 com o 103º Gruppo da Aeronautica Militare Italiana.
Foram projectadas várias versões do G.91, incluindo bilugares para instrução (versões T/1 e T/3). No entanto a produção viria a assumir maior significado nas versões R/1, produzidas pela FIAT para Itália, R/4 também produzidas pela FIAT para a Grécia e Turquia, e R/3 para a Alemanha. O consorcio alemão "Flugzeug-Union Sud", constituído pelas empresas Messerschmitt (mais tarde MBB), Heinkel (mais tarde VFW-Fokker) e Dornier, viria a produzir, sob licença, alguns dos R/3 e T/3 que foram adquiridos pela Luftwaffe.
Vários outros países ignoraram o projecto tendo cancelado as suas encomendas, incluindo os Estados Unidos após um voo de teste ter acabado tragicamente com a morte do piloto. Também a Grécia e Turquia recusaram os seus R/4 que seriam absorvidos pela Luftwaffe e, mais tarde, adquiridos por Portugal.
Dada a emergente necessidade de um avião capaz de levar a bom termo as missões adequadas ao teatro de guerra nos conflitos ultramarinos os primeiros FIAT G.91, versão R/4, chegam a Portugal (OGMA, Alverca) em Dezembro de 1965. Estas aeronaves virão, desde o início da sua utilização, a potenciar à Força Aérea Portuguesa o desempenho de missões de apoio táctico de ataque ao solo e missões de reconhecimento fotográfico. Refira-se, aliás, que foi apenas entre nós que estas aeronaves operaram em teatro de guerra.
O "Gina" entrou ao serviço, pela primeira vez, na Base Aérea 5 (BA 5), Monte Real, em Janeiro de 1966, onde foi utilizado até 1973 na instrução de pilotos que o iam operar no ultramar. Foi utilizado na Guiné, a partir de Abril de 1966, onde serviram na Esquadra 121-Tigres na BA 12, Bissalanca; em Moçambique desde os finais de 1968 formando a Esquadra 502-Jaguares situada no Aeródromo Base 5 (AB 5) em Nacala, também a Esquadra 702-Escorpiões formada em 1970 no AB 7 em Tete Chingosi e ainda destacamentos em Nampula no Aeródromo de Manobra 52 (AM 52) em 1972, em Porto Amélia e no AM 51 Mueda, para além de outros destacamentos não permanentes no AB 6 Nova Freixo, AM 61 Vila Cabral e BA 10 Beira. Chegaram ainda a servir em Angola, nos finais de 1974 até Janeiro de 1975, na Esquadra 93-Magníficos, substituindo os Republic F-84G, na BA 9 em Luanda.
Após os conflitos ultramarinos, como fruto de negociações e acordos entre Portugal e a Alemanha, viriam a ser entregues, de forma progressiva, a partir de 1976, mais G.91, não só na versão R/4 mas também, nas versões T/3 (os primeiros a 25 de Março) e R/3 (a partir de 13 de Junho).
Em território Nacional tiveram uma breve passagem pela Esquadra 51-Falcões (a operar os F-86F Sabre), apenas para treino de pilotos, e estiveram colocados na BA 3 em Tancos, na BA 4 nas Lajes-Açores ao serviço da Esquadra 303-Tigres e na BA 6 no Montijo, constituindo a Esquadra 301-Jaguares onde viriam a ser retirados de serviço a 27 de Junho 1993. O último voo operacional realizou-se a 15 desse mês na BA 6, tendo voado os FIAT G.91 R/3 nº5458 e nº5448 e o FIAT G.91 T/3 nº1806.
De um total de 137 aviões apenas 40 R/4, 34 dos 70 R/3 e 11 dos 27 T/3 serviram na FAP dado que um dos T/3 caiu em Espanha durante a viagem de entrega e os restantes terem sido utilizados como decoys ou canibalizados para benefício dos operacionais. Nunca a FAP teve simultaneamente, em estado operacional, mais de 40 destes aparelhos.

Bibliografia:
Lopes, Mário Canongia A história dos FIAT G.91 na Força Aérea Portuguesa. Mais Alto (suplemento), 1990
Carvalho, António Mimoso; Tavares, Luís FIAT G.91, 20 Anos na Força Aérea Portuguesa. OGMA
Gomes, Renato FIAT G.91. Luso-Fanatics, 1999
Guhl, Jean-Michel Adeus Gina. Air Action Magazine, 1993
Museu do Ar FIAT G.91 R/3, Resumo histórico


Sobre a chegada dos primeiros FIAT G.91 à Base Aérea 5


A propósito da entrega e chegada dos primeiros aparelhos a Portugal apresenta-se o esclarecimento prestado por José Augusto Matos (autor de diversos artigos sobre a História da Aviação Militar em Portugal):

"Depois de cinco semanas em Leipheim, todo o pessoal técnico regressa a Monte Real no dia 20 de Dezembro (os pilotos regressaram mais cedo), ficando à espera dos primeiros aviões que já tinham chegado a 4 de Dezembro às OGMA. Embora no contrato estivesse prevista a chegada dos primeiros 4 aviões em meados de Novembro, esta primeira entrega seria atrasada devido a más condições climatéricas na Alemanha para se fazerem os voos experimentais. Sendo assim, os lotes de Novembro e de Dezembro seriam fornecidos na mesma data, apontando os alemães para 29 de Novembro, caso as condições climatéricas permitissem a viagem, o que não viria a acontecer. Só a 4 de Dezembro, os 8 FIAT puderam fazer a viagem de Fürstenfeldbruck para Alverca, trazidos por pilotos alemães. Em Janeiro, 8 aviões são transferidos para Monte Real para a Esquadra 51 para treino dos pilotos e de pessoal técnico a enviar para África. Por decisão do comandante da esquadra, o MajPilAv Sacchetti, em Monte Real ficam apenas 4 aviões enquanto os restantes são preparados para seguirem para a Guiné."


PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS


Motor:
Turbina Rolls Royce Bristol "Orpheus" 803-D11 com 2270 Kgf de impulso

Versões R

Comprimento:
10.29 m Tecto de serviço:
13100 m
Envergadura:
8.56 m Dist. descolagem:
974 m
Altura:
3.98 m Velocidade máxima:
1073 Km/h
Peso vazio:
3674 Kg Raio de acção:
315 Km
Peso max. desc.:
5850 Kg Superfície alar:
16.42 m2

Versão T

Comprimento:
11.78 m Tecto de serviço:
11890 m
Envergadura:
8.60 m Dist. descolagem:
1066 m
Altura:
4.46 m Velocidade máxima:
1073 Km/h
Peso vazio:
4050 Kg Raio de acção:
320 Km
Peso max. desc:
6110 Kg Superfície alar:
16.42 m2

Projectado para o desempenho de missões de apoio aéreo próximo mas também para missões de reconhecimento, o FIAT G.91 estava especialmente dotado de três câmaras fotográficas VINTEN F-95, instaladas no nariz do avião, com visão frontal e lateral, gravador D-68 e uma câmara de filmar KB-3A instalada no cockpit.


ARMAMENTO UTILIZADO


Interno: Bombas GP de 250 Lbs (114 Kg)
2 canhões DEFA 552 de 30 mm (R/3)
4 metralhadoras Colt Browning M3 12,7 mm (R/4)
Bombas GP de 500 Lbs (227 Kg)
Bombas GP de 750 Lbs (340 Kg)
Estações das asas: (Até 1860 Kg) Bombas fragmentação de 440 Lbs (200 Kg)
Mísseis ar-ar AIM-9 B "Sidewinder"
Lançadores LAU-32 e LAU-5002 para foguetes
FFAR e foguetes CRV7 de 2.75 in
Bombas General Purpose (GP) de 100 Lbs (45 Kg)
Bombas GP de 110 Lbs (50 Kg)
Bombas fragmentação BL755 de 450 Kg
Bombas com retardador "Snakeye"
Bombas "Rockeye"
Bombas Napalm Modelo 65 cap 13 Gal (60 l)
Depósitos de Napalm cap 300 l

Nota: A versão T/3 apresentava apenas duas metralhadoras Colt Browning M3 12,7 mm.


CORES E ESQUEMAS DE PINTURA


Ao longo da permanência ao serviço na Força Aérea Portuguesa, o FIAT G.91 apresentou seis esquemas de pintura. Além disso foram operadas algumas alterações nas insígnias e stencils e apresentadas duas pinturas especiais para Tiger Meet e uma comemorativa do serviço prestado pela aeronave na FAP.

Esquema A: Esquema empregue nos primeiros R/4 entregues. Verde (RAL 6014) e cinzento escuro (RAL 7012) nas superfícies superiores e azul (RAL 5014) nas superfícies inferiores, delimitado por contornos rectilíneos. Foram pintados nesse esquema quando entregues à Grécia, que os não aceitou, reenviados à Alemanha e enviados para Portugal, tal como estavam. Quando enviados para a Guiné, foram-lhes adicionados os olhos e boca de tubarão.

Esquema B: Pintados na FIAT-Itália, nos finais da década de 60, com uma cor uniforme cinzento azulado claro (FS 16473) que cobria, quase na totalidade, todo o avião. Não se operaram alterações nos números de matrícula e insígnias, quer no seu tamanho e formato, quer nas suas posições.

Esquema C: Os aviões a operar em África foram camuflados com uma tinta verde-mate anti-radiação (FS 34102), a partir de 1973, para fazer face à ameaça de mísseis terra-ar. Devido à exposição ao ambiente esta cor podia apresentar outras tonalidades (FS 34128 ou FS 34227). O tamanho das insígnias e números foi reduzido.

Esquema D: Inicialmente utilizado a partir de 1968, este esquema é em tudo semelhante ao Esquema A. Contudo as superfícies inferiores surgem pintadas de cinzento claro (RAL 7032). Interrompido com a aplicação do Esquema C, com o final da Guerra e consequente regresso a Portugal, reiniciou-se o emprego deste esquema, retomando-se os tamanhos iniciais das insígnias e números de matrícula.

Esquema E: Todos os FIAT G.91 R/3 recebidos pela FAP eram aparelhos provenientes da Luftwaffe. Em 1976 envergavam a pintura padrão da época empregue nos aparelhos alemães. De forma muito semelhante ao Esquema A, apresentavam as superfícies superiores em Verde (RAL 6014) e cinzento escuro (RAL 7012) nas superfícies superiores e azul acinzentado (RAL 7001) nas superfícies inferiores. Assim se mantiveram até ao seu primeiro IRAN nas OGMA.

Esquema F: A partir de 1980 todos os aviões passaram a ser pintados de camuflado verde (FS 34079) e castanho (FS 30219) nas superfícies superiores e cinzento esbranquiçado (FS 36622) nas inferiores, delimitado por uma linha ondulada. Foram eliminadas as insígnias das asas e diminuídas as dimensões das bandeiras, matrículas e Cruz de Cristo.

Esquema G: De modo semelhante às modificações operadas nos A-7P, a partir de 1983 os aviões passaram a ser camuflados na totalidade, em wrap-around e, simultaneamente, com formas mais irregulares por forma a aumentar a eficácia da camuflagem. Este esquema manteve-se até à saída de serviço das aeronaves.

Os esquemas anteriores aplicam-se apenas aos R/3 (a partir de 1976) e R/4. Os T/3 foram recebidos com o Esquema D e zonas (nariz, ponta das asas, leme de direcção e drop-tanks) em day-glo orange (FS 28913) passando, mais tarde, a ser pintados com o Esquema F como se pode observar nas fotos seguinte.


Progressivamente, os emblemas das Esquadras foram sendo pintados por baixo da canopy no lado esquerdo, com excepção dos Escorpiões, cujo emblema foi pintado em ambos os lados da fuselagem mas atrás do cockpit e dos Tigres na Guiné (Esquadra 121) em que o emblema também figurava em ambos os lados da fuselagem assim como uma boca de tubarão.


FOTO GALERIA


FIAT G.91 R/3 nº5441 em exposição no Museu do Ar, Alverca



FIAT G.91 R/4 nº5425 em exposição temporária em Leiria



FIAT G.91 R/4 nº"5407" na FIL, comemorações do 50º Aniversário da FAP



Outros pormenores do G.91



CURIOSIDADES


O Sr. Augusto Ferreira contribuiu para este site com algumas fotos por si tiradas ao longo dos 7 anos em que trabalhou no G.91. Entre elas a foto, no mínimo curiosa, deste G.91 R/3 nº de cauda 5472 estacionado na placa da Esq. 301. Reza a lenda que este avião foi especialmente criado pelos mecânicos, para que o único piloto da esquadra que não podia voar nesse dia, por falta de aparelho, não ficasse em terra...

Esta foto retrata o último "voo" do FIAT G.91 nº5418. Aqueles que conhecem os destinos dados aos últimos G.91 "sobreviventes" sabem que este avião repousa actualmente num pedestal de uma rotunda da Base Aérea 4 nas Lajes-Açores. A foto testemunha o movimento da aeronave para o seu destino final. Repare-se ainda na ausência da canopy, nos stencis, bem como no nº de matricula...

Este trabalho de pintura de uma Bomba MK-82 apresentado na foto, da autoria do 1º Sargento Carvalho, tinha uma dupla função. As pinturas das bombas serviam não só como decoração mas também como prova, porque tanto os FIAT G.91 como os A-7P faziam largadas no mesmo local e na mesma altura. Se, por acaso, alguma bomba não rebentasse sabia-se imediatamente a sua origem.

Este é o FIAT G.91 R/3 nº5469, fotografado nas instalações do Centro Social do Arsenal do Alfeite no Laranjeiro-Almada. Embora não aparente, ele faz parte do imaginário de uma série de gerações que, enquanto crianças do colégio aí existente, nele brincaram. O desgaste deste aparelho permite evidenciar a sua origem. Notem-se os stencis e os dois últimos dígitos da sua matrícula 30+50 da Luftwaffe na fuselagem.

Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (CFMTFA) - Ota, a "fritadeira". A imagem apresenta um dos FIAT G.91 parte de um dos lotes finais que foram para as unidades para utilização como "decoys". Actualmente, como se pode verificar pelo estado deste T/3, o destino final destes aparelhos é a sua utilização como material de apoio durante a prática de Instrução de Combate a Incêndios.

Alemanha, Novembro de 1965. Na época, simultaneamente à assinatura do contrato de aquisição, foi enviado para a LKG 44 - Leipheim na Baviera um pequeno grupo de (8) pilotos e de técnicos de electrónica com o objectivo de receberem treino de adaptação aos FIAT G.91. A foto apresenta um dos primeiros contactos de um Piloto Português (Cap. Fernando Moutinho) com estes aparelhos.

No Verão de 1968 foi realizada a primeira revisão geral na OGMA a um FIAT G.91 (IRAN). Tratou-se do modelo R/4 nº5431. Junto dele estão algumas Individualidades da Época, o Piloto de Ensaio (Cap. Egídio) e o pessoal que preparou o primeiro voo. Curioso é o facto do aparelho se apresentar sem pintura, ostentando apenas a sua matrícula e as iniciais da Força Aérea Portuguesa, a preto, no nariz. Um aspecto transitório antes da aplicação do Esquema de Pintura Oficial.

Alverca, 7 de Junho de 1993. Foto do FIAT G.91 R/3 nº.5453 nas OGMA, durante a Cerimónia que reuniu vários dos trabalhadores ligados ao programa de manutenção da frota, antes mesmo do último voo de ensaio de um FIAT G.91 saído das Oficinas de Alverca. Este aparelho encerra um historial de 25 Anos de Manutenção da frota pelas então “Oficinas Gerais de Material Aeronáutico”.

O FIAT G.91 que está na Escola de Tropas Pára-quedistas, em Tancos, é o único exposto em Portugal apontando para baixo. Este aparelho foi assim colocado propositadamente por ser uma homenagem dos "páras" aos FIAT em agradecimento ao apoio que estes lhes prestaram nas missões de guerra em África. A posição significa exactamente o "mergulho" nas missões de apoio aéreo próximo às forças no terreno.


MAIS FIAT G.91:

Walkarounds-CCADF: Fiat_G.91
Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fiat_G.91

COLABORARAM PARA O CONTEÚDO DESTA PÁGINA:

Paulo Bandeira; Rui Bruno; Brozzola Diego; Rui Domingues; Augusto Ferreira; Rui Ferreira; Carlos Gomes;
Hugo de Groote; Erwin Kenis; M. Machado; José Augusto Matos; Michel Klaver; Fernando Moreira;
Fernando Moutinho; Carlos Oliveira; João Pereira; Paulo Rocha; Especialistas BA 12; Esquadra 301 - Jaguares

7 Comentarios:

  1. Anónimo comenta:

    Boa noite. Poderão confirmar se na ultima foto, a maquina que lá está é o 5432?
    Obrigado.
    É que tenho uma foto desse na "linha".

  2. Boas! Sim, é o FIAT G.91 R/4 nº5432.

    Obrigado pela visita e interesse.

  3. Hathufuns comenta:

    Boa tarde. Existe registo dos pilotos que tripularam as aeronaves na Esquadra 502-Jaguares situada no Aeródromo Base 5 (AB 5) em Nacala? Se existiu algum G. Sang? Obrigado.

  4. Hathufuns comenta:

    Bom dia. Alguém me podia jnformar se conheceu um piloto dos Faits com o nome de voo "Faro". Obrigado.

  5. Raul Ferreira comenta:

    Na monografia do FiaT G-91 tenho tentado encontrar os emblemas das Esquadras que combateram em África. Antigamente estavam a seguir ao tipo de pinturas, será que foram retirados?? Já fiz a mesma pergunta como anónimo, pois n/sabia o que havia de escolher. Cumprimentos

  6. Caro Raúl,

    Quando migradas para este novo formato as monografias deixaram de incorporar os emblemas e patches pois a intenção é que as mesmas venham a ser publicadas no Walkarounds-Patches. Devido à enorme quantidade de patches ainda por publicar, infelizmente essa tarefa está a demorar mais tempo daquele inicialmente previsto.

    Obrigado.

  7. Raul Ferreira comenta:

    Agradeço vossa informação. Obrigado

Deixe o seu comentario

Ajude-nos a melhorar este trabalho. Participe!

Related Posts with Thumbnails